Ócio digno e suas contradições

Uma das poucas coisas que eu aprendi nas minhas deficientes e desagradáveis aulas de Sociologia no 2º ano foi a idéia de ócio digno. Para os poetas cômicos e filósofos da era clássica em Atenas, só é homem por inteiro quem vive no ócio, ou seja, vive do trabalho de servos, artesãos e operários, dedicando seu tempo para praticar as virtudes, de acordo com Aristóteles,  e produzir conhecimento, segundo Platão.

Filosofia à parte, essa idéia me fascinou incrivelmente desde o momento em que a compreendi. Tenho seguido essa linha de pensamento desde então, principalmente nas férias, onde os servos são meus pais ( não entenda mal a comparação, é apenas para ter uma ligação com a idéia original), que trabalham para minha sobrevivência, e eu utilizo meu tempo livre para produzir conhecimento.  Faço de tudo no meu tempo livre; leio tudo o que posso, aprendo a usar novos softwares (principalmente os de computação gráfica), desenho, escrevo música… Enfim, tento adquirir e produzir conhecimento de todas as formas. Algumas vezes penso até em viver dessa forma, vivendo do trabalho alheio e utilizando todo o tempo que tiver apenas para produzir conhecimento, mas tudo em exagero cansa, até o conhecimento. Reflito e lembro das palavras do Rei Salomão no Eclesiastes, ” e vi que tudo isso é vaidade“, é realmente incrível porque  faz todo o sentido, mesmo que você não acredite na Bíblia, esse livro mostra que tudo o que aconteceu torna a acontecer, de forma que não há nada novo debaixo do sol. Logo, eu não estaria produzindo conhecimento, esmo que soubesse de tudo, estaria apenas  absorvendo o que já existe.

Outra coisa que me tira da cabeça a idéia de viver do ócio é a sabedoria popular, que diz que o trabalho engrandece o homem. E realmente o faz. Acredito que, contrariando a idéia dos filósofos clássicos e aderindo um pouco ao senso comum, só é homem por completo aquele que trabalha, não deixando de produzir conhecimento, mas utilizando-o para melhorar a vida dos seus semelhantes.

Finalizando, acho que não seria a forma de vida ideal, o ócio digno. É interessante, pois é nos momentos de ócio que algumas das minhas melhores idéias são produzidas, porém pouco prática se levada a cabo como estilo de vida. Você pode pensar o que quiser sobre a idéia de viver do ócio, porém eu quero usar todo o conhecimento que adquirir, seja nos momentos de ócio ou não, para fazer do mundo um lugar melhor, com todas as utopias que essa frase explicita, afinal, sem sonhos, não há realizações.

Anúncios

2 comentários sobre “Ócio digno e suas contradições

  1. jorge disse:

    em outras palavras vc quis dizer que agente deve merecer o nosso ocio.
    n e bem assim que acontece.
    todo mundo sabe disso quem n naceu em berço de ouro vai ter que rala ou ganhar o bilhete premiado, e sabe o que vem ao final, mais trabalho.
    é o capitalismo alguem tem que explorar alguem e isso e mt dificil de mudar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s